» » » Porque o Coração Acelera?

Porque o Coração Acelera?

O coração pode acelerar diante de situações como nervosismo, ansiedade, estresse, emoções fortes e esforço físicos. Isso acontece porque o organismo se prepara, por necessitar de mais oxigênio para lidar com essas circunstâncias.

O mesmo acontece com as atividades físicas, pois o órgão precisa trabalhar mais para irrigar os músculos com nutrientes e oxigênio.

No entanto, quando as batidas aumentam mesmo em momentos de repouso, como durante o sono, sem qualquer estímulo interno ou externo,a mais de 100 batimentos por minuto (o que se conhece como taquicardia), isso pode ser sinal de alguma doença cardíaca envolvida. A melhor saída, então, é procurar ajuda médica.

Quais são as principais causas do coração acelerado?

A taquicardia pode ser ocasionada por:

  • Arritmias;
  • Ansiedade;
  • Estresse;
  • Fatores genéticos;
  • Consumo de bebidas estimulantes, como cafés, chás, energéticos e refrigerantes “cola”;
  • Ingestão de álcool em excesso;
  • Uso de cigarro, drogas e medicamentos;
  • Tratamento de asma ou bronquite;
  • Desidratação;
  • Hipotireoidismo;
  • Anemia, entre outros.

Riscos do coração acelerado

Além de bater de forma descompensada, a arritmia diminui a velocidade do sangue, que passa mais tempo do que deveria dentro dos átrios. Isso pode favorecer a formação de coágulos, que podem levar a um derrame ou acidente vascular cerebral (AVC).

Como diagnosticar alterações no ritmo cardíaco?

A frequência cardíaca normal em um adulto varia de 60 a 100 batimentos por minuto (bpm), em repouso. Passando de 100, já pode indicar taquicardia. Além de aferir os batimentos com o toque no pulso ou uso de aparelho específico, por ao menos cinco minutos, para verificar alterações no ritmo cardíaco,pode ser necessário realizar exames como o eletrocardiograma.

Tratamento para coração acelerado

O tratamento pode incluir:

  • Medicamentos antiarrítmicos;
  • Implante de marca-passo;
  • Desfibrilador;
  • Cauterização dos focos de origem.

Atualizado em: 03/01/2019 na categoria: Corpo Humano, Saúde